Ainda sobre o conflito OTAN e Rússia: Embora nem todos os olhos sejam azuis, todo sangue é vermelho 2

“As histórias condensam a dor, o horror e o desespero provocado por um dos maiores crimes de guerra, jamais julgado. Estima-se mais de 200 mil mortos em Hiroshima e Nagasaki, desintegrados, em minutos, nas chamas do cogumelo atômico.”

TODO SANGUE É VERMELHO 2 – Ana Cristina Rosa fez a síntese definitiva: “nem todos os olhos são azuis, mas todo sangue é vermelho”

Por Cristina Serra

Desde a Antiguidade, uma guerra pode ser contada de muitos pontos de vista. A nova ordem mundial dela resultante, os lances do xadrez geopolítico, as vitórias militares, os lucros da indústria armamentista, tudo isso conta uma parte da guerra.

Há outras maneiras, porém, e o jornalista norte-americano John Hersey mostra isso muito bem no seu clássico livro-reportagem “Hiroshima”. Hersey escolheu meia dúzia de sobreviventes do ataque nuclear dos Estados Unidos ao Japão, em 1945, para escrever sobre a guerra na sua dimensão mais singular e humana.

As histórias condensam a dor, o horror e o desespero provocado por um dos maiores crimes de guerra, jamais julgado. Estima-se mais de 200 mil mortos em Hiroshima e Nagasaki, desintegrados, em minutos, nas chamas do cogumelo atômico.

Setenta e sete anos depois, quem ameaça apertar o botão da hecatombe nuclear é a Rússia, em sua guerra contra a Ucrânia, os Estados Unidos e seu braço na Europa, a Otan. A cartada nuclear e a agressividade do invasor provocaram a justíssima e urgente solidariedade aos ucranianos e acenderam o alerta e o medo de uma terceira guerra mundial em solo europeu.

Terceira guerra? Na Europa, sim (se considerarmos os Bálcãs um conflito localizado). Mas o que foram a Guerra Fria (Coreia, Vietnã, guerras colonialistas na África e na Ásia), a chamada Guerra ao Terror (Afeganistão, Iraque, Síria) e muitos outros confrontos se não decorrência da disputa de hegemonia entre as grandes potências?

Guerras sempre existiram nas periferias do mundo desenvolvido, com seus rios de sangue e sofrimento, crises humanitárias e milhões de refugiados. A estupidez da guerra faz a espécie humana retroceder ao estágio primitivo de selvageria, seja qual for o canto do mundo onde ocorra. Sobre isso, a colunista Ana Cristina Rosa elaborou a síntese definitiva: “Embora nem todos os olhos sejam azuis, todo sangue é vermelho”. Uma verdade que o mundo inteiro precisa ouvir.

Cristina SerraCristina Serra é paraense, jornalista e escritora. É autora dos livros “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”.

Publicado originalmente no jornal FOLHA DE SÃO PAULO.

Este é um texto de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do blog Traço de União.

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Internacional. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s