UMA VIAGEM INÚTIL

“Na nossa história recente, Fernando Henrique e Lula desempenharam com maestria o papel de presidentes diplomatas, personificando —cada qual a seu modo— o Brasil democrático em busca de mais protagonismo internacional.”

Na viagem à Rússia, Bolsonaro vai do nada para coisa alguma

Por Maria Hermínia Tavares

Diferentes chefes de governo têm se envolvido com menos ou mais apetite na política externa de suas nações. Embora a responsabilidade final sempre caiba ao primeiro mandatário, a formulação de objetivos, bem como a sua efetivação, depende do capital político do chanceler de turno e da elite do corpo diplomático profissional.

Fala-se em diplomacia presidencial quando é marcante o papel do titular do Executivo na condução dos assuntos estrangeiros, respaldando a imagem nacional que se queira projetar, assim como as prioridades do país em suas relações com o mundo. Basta lembrar a força simbólica da ida do pragmático Richard Nixon à China, em 1971, inaugurando o degelo das relações dos Estados Unidos com o império do revolucionário Mao Tse-tung e mudando o mundo.

Na nossa história recente, Fernando Henrique e Lula desempenharam com maestria o papel de presidentes diplomatas, personificando —cada qual a seu modo— o Brasil democrático em busca de mais protagonismo internacional.

No primeiro caso, o intelectual que vencera a hiperinflação bancava a disposição do país de abrir sua economia e aproveitar as oportunidades criadas pela globalização. No segundo caso, o líder sindical transformado em dirigente político de um grande partido social-democrata exibia a face de um Brasil empenhado em combater a pobreza e as desigualdades de poder no sistema internacional.

Provados na oposição ao autoritarismo, um e outro estavam credenciados a afiançar o compromisso do país com as instituições livres, o respeito aos direitos humanos, o multilateralismo, o acatamento das regras internacionais e a ênfase em soluções pacíficas para os conflitos.


Em benefício de uma política externa com metas e meios definidos, acumularam vasta milhagem para se fazer presentes em foros mundiais ou cultivar os interesses bilaterais. Começaram sempre pela vizinha Argentina, pilar da presença brasileira na região. Ambos foram ainda à Rússia, parceira comercial de certa monta e, como o Brasil, membro fundador da coalizão dos Brics.

Já agora, instigador do isolamento internacional do país, sem a mais remota ideia do que hoje move a grande agenda planetária, muito menos do que seria uma política externa à altura dos imperativos nacionais, Bolsonaro deu de ir a Moscou sem plano nem propósito, numa hora especialmente crispada no Leste Europeu.

Na melhor das hipóteses, seu beija-mão a Putin renderá ao Brasil benefícios semelhantes aos da incursão a Nova York de seu secretário da Cultura, Mario Frias —para encontrar dois produtores da Broadway e um astro do jiu-jitsu.

Maria Hermínia TavaresProfessora titular aposentada de ciência política da USP e pesquisadora do Cebrap. Escreve às quintas-feiras.

Publicado originalmente no jornal FOLHA DE SÃO PAULO.

Este é um texto de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do blog Traço de União.

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Internacional. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s