De que vale investir nos filhos? Qual o retorno de nossa infindável dedicação?

“No investimento amoroso dos pais não cabe o ressarcimento nem financeiro, nem a penhora do desejo dos filhos. Quando se exige isso deles, os resultados vão da alienação total ao desejo dos cuidadores, e correspondente esmagamento da subjetividade do filho, à ruptura violenta, tão passional quanto foram as relações de aprovação iniciais.”

Homem de boné sorrindo e mulher de regata preta sorrindo
O surfista Gabriel Medina e sua mãe, Simone – @simonemedina no Instagram

DE QUE VALE INVESTIR NOS FILHOS?

Por Vera Iaconelli

O nome do surfista Gabriel Medina estampou recentemente o noticiário por duas razões: pela última façanha esportiva —ele foi tricampeão mundial de surfe— e pelo bem menos glamoroso barraco familiar. Mãe e padrasto, importantes na formação profissional do rapaz, estariam em disputa judicial com Gabriel pelos bens da empresa criada em torno do talento dele.

Outra notícia que chamou a atenção foi da jovem Nilcinádia Alves dos Anjos, que levou uma enxada em sua formatura para homenagear os pais agricultores. Duas cenas nas quais fica claro que o suporte e dedicação da família foram fundamentais na trajetória dos filhos, mas cujos desfechos soam bem diferentes. Nilcinádia, médica recém-formada, começa a trabalhar no sul do país, torcendo para ajudar os pais um dia, para quem o enorme orgulho e reconhecimento social parecem ser prêmios suficie

Para homenagear seus pais, jovem ergue enxada durante formatura

No tiroteio de acusações e disputas pela grana dentro da família Medina, chama atenção a ascendência do casal sobre as escolhas pessoais do filho. Tema antigo, que nove entre dez estrelas do pop agenciadas pelos pais conhecem bem: investir na prole como quem investe no mercado de ações.

Shirley Temple, Michael Jackson, Britney Spears, Amy Winehouse, o bebê que faz publi porque fala difícil, inúmeros são os exemplos de um tipo de arranjo nos quais a família se organiza em torno do talento dos filhos. O risco óbvio aqui é de que ao crescer e buscar se emancipar dos pais, o filho acabe por abalar a estrutura familiar e seja deserdado, internado ou desprezado. Também corre-se o risco de ter o eterno garoto/a que nunca fica adulto/a.

Lembremos que nem sempre a liberdade de escolha da prole foi tida como um valor. Essa é uma aquisição da modernidade que alguns tentam driblar por meio de sedução afetiva e manipulação da culpa dos filhos.

Investimento é uma palavra cara para a psicanálise, mas, ao contrário da bolsa de valores, trata-se do quanto temos que entrar de corpo e alma na relação parental. Gestados ou não pelos responsáveis, filhos exigem uma dedicação encarnada e um apaixonamento únicos na vida. Vigília constante, amor, sustento material são necessidades básicas do filhote humano, infinitamente mais demandante do que qualquer mamífero sobre a Terra.

Não há desejo de filho que não venha acompanhado de um projeto: que seja homem/mulher, que seja lindo/a, inteligente, forte, bem sucedido, feliz, sucessor, cuidador, companhia, mão de obra, enfim, que corresponda a alguma aspiração para cada pai/mãe. Não nasceu o sujeito que não estranhe a si mesmo, que dirá ao outro. Filhos estão fadados a nos contrariar em maior ou menor grau e nós estamos fadados a respeitar a alteridade que eles nos impõem.

No investimento amoroso dos pais não cabe o ressarcimento nem financeiro, nem a penhora do desejo dos filhos. Quando se exige isso deles, os resultados vão da alienação total ao desejo dos cuidadores, e correspondente esmagamento da subjetividade do filho, à ruptura violenta, tão passional quanto foram as relações de aprovação iniciais.

Então, o que resta esperar do infindável investimento amoroso? O mesmo que se espera de qualquer relação amorosa: que seja boa enquanto dure. Com uma diferença. Oxalá dure por toda a vida dos pais!

Depois de os pais entrarem com o corpo, com o tempo, com o amor e uns trocados, resta esperar que os filhos agradeçam por lhes permitirem que sejam (o que quiserem/puderem). E que os filhos, por sua vez, se responsabilizem pelo que vieram a ser.

Vera Iaconelli Diretora do Instituto Gerar de Psicanálise, autora de “O Mal-estar na Maternidade” e “Criar Filhos no Século XXI”. É doutora em psicologia pela USP.

Publicado originalmente no jornal no Jornal Folha de São Paulo

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do blog Traço de União.

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em sociologia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s