Senhores, não brinquem com coisa séria!

Com o título “Riem do que, Senhores?”, a colunista da Folha de São Paulo Cristina Serra pública uma contumaz crítica ao emblemático jantar na casa do mega especulador Naji Nahas reunindo importantes figuras da república. Ela escreve: (…) “Estamos chegando a 600 mil mortos pela Covid. Doença, desemprego e fome dilaceram os sonhos de milhões de brasileiros, lançados ao desespero pelo governo que essa gente ajuda a manter no Palácio do Planalto. Ainda que mal pergunte, riem do que, senhores?

De fato, pegou mal o encontro e o vídeo divulgado! (assista o vídeo abaixo). O país passa por uma crise social, política e econômica de proporções alarmantes. Na citada reunião, os homens públicos presente deveriam no mínimo impedir a publicização do deboche. Veja o vídeo e em seguida o texto da colunista e tire suas conclusões.

RIEM DE QUEM, SENHORES?

Por Cristina Serra

O vídeo do recente jantar em homenagem a Michel Temer lembrou-me uma cena do filme “O Poderoso Chefão 3”, o último sobre a saga da família Corleone, dirigido por Francis Ford Coppola e estrelado por Al Pacino. A ficção mostra um encontro de mafiosos, num ambiente cafona e decadente em cada detalhe da decoração: cristais, pratarias, taças, lustres.

Semelhante também é a disposição dos personagens na cena: senhores cheirando a naftalina, em torno de uma grande mesa para tratar de negócios. No caso, aqui, para celebrar o “business as usual”, depois que Temer afivelou uma focinheira em Bolsonaro e deixou claro quem controla as rédeas do processo golpista que se desdobra desde 2016.

O ex-presidente Michel Temer gargalha da imitição de Jair Bolsonaro feita pelo comunicador André Marinho
O ex-presidente Michel Temer gargalha da imitição de Jair Bolsonaro feita pelo comunicador André Marinho – Reprodução

No vídeo, a anormalidade institucional do país, os ataques de Bolsonaro à democracia, à legalidade e ao STF, enfim, tudo o que joga o país no chão é tratado com chocante naturalidade. Na imitação que faz do presidente, um animador de auditório fala em instrumentos de tortura usados na escravidão, como a chibata, e o pau de arara, símbolo da violência na ditadura. Seguem-se risadas e aplausos.

É emblemático que o jantar tenha sido na casa de Naji Nahas, mega especulador que chegou a ser condenado por golpes contra o sistema financeiro, décadas atrás. Entre os comensais, outros arquétipos da elite brasileira. Gilberto Kassab, dono do PSD, o partido que “não é de direita, nem de esquerda, nem de centro”. Poderosos da mídia, juristas, um médico e um suplente de senador completam a confraria. Na ficção, a reunião de mafiosos termina mal. Na vida real, Temer e seus convidados divertem-se a valer.

Nunca um presidente cometeu tantos crimes de responsabilidade contra o povo. Estamos chegando a 600 mil mortos pela Covid. Doença, desemprego e fome dilaceram os sonhos de milhões de brasileiros, lançados ao desespero pelo governo que essa gente ajuda a manter no Palácio do Planalto. Ainda que mal pergunte, riem do que, senhores?

Cristina Serra – Cristina Serra é paraense, jornalista e escritora. É autora dos livros “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”.

Publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo.

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do blog Traço de União.

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s