Temer e a proteção a Bolsonaro

Replico abaixo o texto da colunista da Folha de São Paulo Cristina Serra que com seu jeito assertivo nos faz refletir sobre a concertação articulada por Temer/Bolsonaro em forma de nota pública. De fato assiste razão a colunista, “não é a primeira vez que Temer vem em socorro de Bolsonaro”. O articulador do golpe de 2016 volta à cena e dessa vez para proteger um personagem que joga o país no abismo. O custo que Bolsonaro impõe ao país é desmesurado, e teremos que lidar com ele por muitas gerações”, afirma a autora.

Bolsonaro vai continuar latindo aqui e ali, porque é o que sabe fazer

Por Cristina Serra

O país parou com medo de um golpe no 7 de Setembro. Sob o comando do líder ensandecido da seita e com patrocínio do agronegócio, caminhões e tratores reluzentes substituiriam tanques. Caminhoneiros estariam no lugar de “um soldado e um cabo”. Eis que no fim do feriado um cheiro de impeachment exalou de redutos até então considerados seguros e o alarme tocou.

Foi a deixa para Michel Temer voltar aos holofotes com seus trejeitos de ilusionista e artifícios de golpista. Como já escrevi aqui, o golpe foi em 2016, contra Dilma Rousseff. Desdobrou-se em 2018 e agora assistimos a uma nova reacomodação de tensões entre as mesmas forças que disputam o butim desde a ruptura travestida de legalidade cinco anos atrás.

Não é a primeira vez que Temer vem em socorro de Bolsonaro. O jornalista Octávio Guedes, do G1, bem lembrou episódio que desonra a Câmara dos Deputados. Em 1999, Bolsonaro pregou o fechamento do Congresso e o fuzilamento do então presidente, Fernando Henrique Cardoso. Deveria ter tido o mandato cassado. Mas pediu desculpas pelos “excessos” e ficou por isso mesmo. Quem era o presidente da Câmara na ocasião? Ele mesmo, o missivista das mesóclises.

A carta de agora garante proteção a Bolsonaro, que vai continuar latindo aqui e ali porque é o que sabe fazer. O importante a registrar de toda a confusão dos últimos dias é que a fervura baixou e as pequenas frestas abertas, para o que já era uma remota possibilidade de impeachment, foram vedadas. Os articuladores do golpe de 2016 mostram que ainda têm as rédeas do processo.

A Faria Lima respira aliviada. Lira e Pacheco tocam o jogo, em cumplicidade que aprofunda o abismo. O comando do Congresso tornou-se parte do problema, tanto quanto o chefe do Executivo. Essa gente deve estar achando que 600 mil brasileiros nos cemitérios são um preço pequeno demais. O custo que Bolsonaro impõe ao país é desmesurado, e teremos que lidar com ele por muitas gerações.

Cristina Serra

Cristina Serraé paraense, jornalista e escritora. É autora dos livros “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”.

Publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo.

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Resistência democrática. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s