Cantares de perda e predileção – poema de Hilda Hilst

Hilda Hilst

Com este poema, Hilda Hilst venceu o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, no ano de 1984, e o Prêmio Cassiano Ricardo do Clube de Poesia de São Paulo, em 1985.

Ela ainda recebeu outros prêmios por seu trabalho como o Prêmio APCA para o seu livro Ficções, considerado o melhor do ano em 1977. Recebeu ainda o Grande Prêmio da Crítica para o Conjunto da Obra em 1981.

CANTARES DE PERDA E PREDILEÇÃO

Vida da minha alma:

Recaminhei casas e paisagens

Buscando-me a mim, minha tua cara.

Recaminhei os escombros da tarde

Folhas enegrecidas, gomos, cascas

Papéis de terra e tinta sob as árvores

Nichos onde nos confessamos, praças

Revi os cães. Não os mesmos. Outros

De igual destino, loucos, tristes,

Nós dois, meu ódio-amor, atravessando

Cinzas e paredões, o percurso da vida.

Busquei a luz e o amor. Humana, atenta

Como quem busca a boca nos confins da sede.

Recaminhei as nossas construções, tijolos

Pás, a areia dos dias

E tudo que encontrei te digo agora:

Um outro alguém sem cara. Tosco. Cego.

O arquiteto dessas armadilhas.

Lindo poema de Hilda Hilst

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Arte. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s