Como afirmou o escritor uruguaio Eduardo Galeano, através de sua fina ironia, “eles amam tanto a democracia que jamais a usam, para que não se gaste”.

“Duas semanas após a consumação do golpe, o General de Brigada Nelson Werneck Sodré, uma das cabeças mais brilhantes da inteligência militar, teve seus direitos políticos cassados. Esse intelectual enciclopédico legou ao país uma valiosa obra historiográfica.”

Nelson Werneck Sodré (Foto: Arquivo/Marizilda Cruppe/29-9-1998)

Sodré, os militares e a democracia

Por Glauber Gularte Lima

Quizá mi única noción de patria
sea esta urgencia de decir Nosotros
Mario Benedetti

Na América Latina e no Brasil a frágil democracia sempre esteve ameaçada e foi inúmeras vezes aniquilada por quarteladas de todo tipo. O dispositivo militar tem servido como uma reserva de força acima da lei e da ordem, exatamente para destruí-las. Este tem sido o último recurso das elites dominantes para manter seus privilégios, diante da ofensiva de governos populares e reformistas.

Herdeira da cultura dos senhores de escravos, a elite brasileira não tem apreço algum pela democracia liberal que impôs à nação. Como afirmou o escritor uruguaio Eduardo Galeano, através de sua fina ironia, “eles amam tanto a democracia que jamais a usam, para que não se gaste”. 

Em um regime democrático consolidado, o aparato militar deveria estar constitucionalmente e de fato subordinado ao poder político. Mas no Brasil foi transformado em guarda pretoriana dos interesses do poder dominante.

Até o golpe de 1964, houve uma luta intestina nas Forças Armadas entre setores nacionalistas e os alinhados aos interesses do grande capital internacional. Após a quartelada em nome da “Família com Deus pela Liberdade” esses militares progressistas foram sumariamente expurgados da corporação.

Duas semanas após a consumação do golpe, o General de Brigada Nelson Werneck Sodré, uma das cabeças mais brilhantes da inteligência militar, teve seus direitos políticos cassados. Esse intelectual enciclopédico legou ao país uma valiosa obra historiográfica.

Um de seus diamantes é o livro História Militar do Brasil, a mais expressiva obra sobre as Forças Armadas brasileiras, que abrange mais de quatro séculos de história. Por ironia do destino o governo militar proibiu a sua circulação em 1969 e os exemplares disponíveis na editora e em livrarias foram apreendidos.

Mas sua maior condenação foi o ostracismo imposto pela cúpula militar dominante. Os mesmos que abrem a boca para exaltar um assassino e traidor do país como o coronel Brilhante Ustra relegaram ao esquecimento um dos mais talentosos intelectuais que a farda verde-oliva produziu. 

É a triste expressão de uma inteligência formada para a condição de satélite militar dos EUA e em prontidão permanente para ameaçar o país e seu povo e rasgar a Constituição.

Glauber Gularte Lima é professor

Publicado originalmente no portal Sul 21. Acesse: https://sul21.com.br/?amp=1

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do blog Traço de União

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Política pública e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s