Uma linda canção de amor, assim poderia ser caracterizada Futuros Amantes, composta por Chico Buarque em 1993.

Por Rebeca Fuks – Doutora em Estudos da Cultura

Procurando transmitir a noção de que tudo tem o seu tempo, o eu-lírico celebra um amor paciente, adiado, que permanece através dos anos a espera do momento certo para desabrochar.

Não se afobe, não
Que nada é pra já
O amor não tem pressa
Ele pode esperar em silêncio
Num fundo de armário
Na posta-restante
Milênios, milênios
No ar

E quem sabe, então
O Rio será
Alguma cidade submersa
Os escafandristas virão
Explorar sua casa
Seu quarto, suas coisas
Sua alma, desvãos

O amor aqui é tido como o avesso da paixão juvenil, que corrói e rapidamente se mostra perecível. Na letra de Chico Buarque os versos invocam um amor atemporal – não apenas carnal -, que vence todas as dificuldades supera todas as barreiras.

A imagem do Rio de Janeiro submerso é também poderosíssima, com a figura do mergulhador (o escafandrista) a procura de registros de como foi a vida naquele espaço e durante aquele tempo. A cidade resiste com os seus objetos e mistérios, assim como o amor paciente do eu-lírico.

Fonte: portal Cultura genial. Acesse: https://www.culturagenial.com

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s