O Quinto Império – Fernando Pessoa

Triste de quem vive em casa,

Contente com o seu lar,

Sem que um sonho, no erguer de asa,

Faça até mais rubra a brasa,

Da lareira a abandonar!

————————————————-

Triste de quem é feliz!

Vive porque a vida dura.

Nada na alma lhe diz

Mais que a lição da raiz –

Ter por vida a sepultura.

———————————————–

Eras sobre eras se somem

No tempo que em eras vem.

Ser descontente é ser homem.

Que as forças cegas se domem

Pela visão que a alma tem!

————————————————

E assim, passados os quatro

Tempos do ser que sonhou,

A terra será teatro

Do dia claro, que no atro

Da erma noite começou.

———————————————-

Grécia, Roma, Cristandade,

Europa – os quatro se vão

Para onde vai toda a idade

Quem vem viver a verdade

Que morreu D. Sebastião?

Breve comentário: trata-se de um poema que afirma uma filosofia sobre o homem e o viver. Para o poeta, a única coisa que faz sentido na vida é o sonho – “Triste de quem vive em casa/ contente com o seu lar, Sem que um sonho, no erguer de asa,/ Faça até sua rubra brasa/ Da lareira a abandonar”. Sem o sonho capaz de mover montanhas, a vida é triste, ainda que no conforto do lar. Triste de quem é feliz (paráfrases do livro “para compreender Fernando Pessoa”)

Tire suas conclusões…

Sobre joaoantonio60

Traço de União é um espaço para aqueles que defendem a democracia, a ciência e a preservação do Planeta Terra - azul e redonda.
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s